#Greve não compromete funcionamento de escolas e unidades de saúde

  • Greve não compromete funcionamento de escolas e unidades de saúde

    Nathalia Rebouças
    Fotografia: Secom
    | Governo

    A greve iniciada nesta segunda (11) pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (SINDISERPUM) não tem comprometido o funcionamento de escolas e unidades básicas de saúde. Nenhuma escola parou e as UBS´S seguem a rotina normal.

    De acordo com informações da Secretaria de Educação, das 53 unidades, incluindo escolas e UEI´S (Unidades de Educação Infantil), apenas 19 servidores, entre merendeiras, zeladores e técnicos, paralisaram as atividades. Nenhum professor aderiu a greve.

    Na Saúde, os fisioterapeutas, que haviam parado, já retornam aos postos de trabalho amanhã. A decisão foi tomada em reunião com o secretário Benjamim Bento, onde a categoria assumiu o compromisso de aumentar o número de atendimentos para atender demanda reprimida das cirurgias eletivas que devem começar ainda este mês.

    A Prefeitura reitera que continua aberta ao diálogo e que a proposta de reposição salarial, baseada nos índices inflacionários oferecida em reunião com o Sindicato, está dentro das condições financeiras do município, observando ainda os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

    A PMM definiu um calendário anual de pagamento do funcionalismo, onde os servidores passaram a receber rigorosamente em dia, com salários dentro do mês trabalhado. O Executivo Municipal já desembolsou em folha salarial o equivalente a mais de 210 milhões de reais. Os pagamentos incluem os atrasados deixados pela administração passada, além dos salários de 2017. 

    Da dívida herdada da administração anterior, 74,45% receberam os valores.

    No último sábado, a Prefeitura pagou o 14º salário da Educação referente ao ano 2015/2016. O pagamento, que ficou pendente na última gestão, foi creditado na conta corrente de mais de 700 servidores lotados nas unidades de ensino premiadas com o 14º salário.

    A reduzida adesão ao movimento grevista é a prova de que os trabalhadores reconhecem o esforço da administração de honrar o salário em dia e quitar os débitos deixados pela gestão passada.